BALNEÁRIO DE CAMBORIÚ

Bandeira Balneario de Camboriu Hoteis - Balneário Camboriú no Site Hotéis
Bandeira Balneário de Camboriú

Imobiliária em Balneario Camboriu Imóveis - Balneário Camboriú - Praia
Imobiliaria Balneario Camboriu Imoveis

Brasão Balneario de Camboriu Hoteis - Site Balneário Camboriú Hotéis
Brasão Balneário de Camboriú


Advogados em Balneario Camboriu Advocacia - Balneário Camboriú - Praia
Advogados Balneario Camboriu Advocacia


Feriado 2 novembro Dia de Finados Balneário Camboriú
Praia Balneario Camboriu - Imovel Balneario Camboriu

Faça seu retiro e recolhimento espiritual

Finado significa o que se finou, findou, acabou, morreu. O culto aos mortos está presente em quase todas as religiões, desde a Pré-história, e tem significados e manifestações muito diferentes nas diferentes culturas.

No Brasil, nesse dia, é costume visitar as sepulturas e levar flores aos mortos. A data é solene, e está ligada à tradição católica. Para lembrar as pessoas queridas, acendem-se velas pelas suas almas e fazem-se orações.

O culto aos mortos foi instituído oficialmente pela Igreja no século 10. No século 13, um decreto do abade de Cluny, que dirigia o maior mosteiro da Idade Média, decretou que os monges sob sua jurisdição comemorassem o dia dos mortos no dia 2 de novembro.

Assim, ao longo dos séculos, o dia de Finados acabou entrando para o calendário civil em muitos países. No México, por exemplo, também se comemora o dia dos mortos em 2 de novembro. Lá, esse é um dia de festa, em que se zomba da morte. Acredita-se que, nesse dia, as almas podem visitar seus parentes, e é costume fazer um altar em casa, enfeitado com flores, caveiras de papel machê, oferendas e retratos das pessoas mortas.

Em países de religião budista, como a Tailândia, os mortos são homenageados com uma procissão, com música e desfilas de máscaras, e uma imagem do sagrado Buda. No Japão, faz-se uma oferenda de arroz e algas, para alimentar as almas dos mortos.

Seja com lágrimas ou com risos, homenagear os mortos parece ser uma necessidade universal, uma maneira de reverenciar nossos antepassados e de lembrar que, como eles, nós também somos mortais.